Friday, September 19, 2008

Escócia - dia 6

Acordamos de manha cedo, e o sol já estava mostrando as caras: ebaaaaaaaa :o)

Amanhecer...


Saindo do hotel, comeca a chover. Depois de 10 minutos, o sol sai de novo. Neblina nas Cuillins (nossa decisao do passeio ontem foi mais do que acertada, hehehe). Chuva bem forte, e sol de novo. Mas, tudo bem: enquanto nao tiver tudo nublado e cinza, tá valendo :o)))


Primeiro passeio do dia: destilaria do whisky Talisker. É um dos whiskys prediletos de namorido (eu nao sou muito fa de whisky, portanto nao palpito), e super premiado mundialmente. Aliás, para meu espanto, no ano passado o melhor whisky single malt foi do Japao!!! Eu nao sabia que o Japao fabricava whisky, e ainda mais que era de excelente qualidade! Mas, aprendi mais sobre isso no tour :o)
Como acordamos muito cedo, e o tour da destilaria só comecava às 9h30, fomos dar uma volta na Talisker bay pela B8009 (é a regiao conhecida como Minginish). E foi uma ótima, porque as paisagens eram lindas!!!

Início de uma cachoeira





Nessas nossas férias, o que mais vimos por todos os lados eram ovelhas. Muuuuuuitas ovelhas! Zilhoes de ovelhas!!! E a pergunta que nao quer calar: na Escócia, há mais ovelhas ou escoceses? :o) Meu colega escocês nao conseguiu responder essa pergunta... A propósito, olhando bem as fotos acima, dá para ver inúmeros pontos brancos: ovelhas! :o)

A foto abaixo mostra uma das partes que eu acho mais fofa nas ovelhas: o rabinho :o))) Quando eu era pequena, tinha um livrinho de crianca que contava a história de uma menina (guardadora de ovelhas ou pastora) que coletou todos os rabinhos das ovelhas, lavou, colocou para secar num varal enorme, e depois colocou nas ovelhas de volta, com uma fita cor-de-rosa :o) Eu adoraaaaaaava essa historinha! E, olhando a foto abaixo, nao dá vontade de atar uma fita cor-de-rosa no rabinho dessa ovelhinha também? :o)



Depois do passeio, fomos até a destilaria. A visita foi ótima, aprendi muitas coisas sobre whisky que eu nao sabia (o que nao foi difícil, já que meu conhecimento a respeito de whisky era mínimo, hehehe). Uma das coisas que faz o Talisker ser um whisky de ótima qualidade é o processo de destilaria. O cifao, depois do líquido destilado, é em formato de U, o que faz os óleos mais pesados caírem ali e serem destilados novamente. Por isso é um whisky tao puro, é como se ele passasse pelo processo de destilacao duas vezes! Te mete, tô sabendo tudo agora :o)))
Outra curiosidade é que o whisky escocês é tao bom devido à variacao climática. Como chove, faz sol, nubla, faz sol, chove, nubla, tudo no mesmo dia, a pressao atmosférica e a umidade estao em constante mudanca também. E isso faz com que o whisky 'trabalhe' mais nos barris de carvalho. Além disso, a Escócia nao tem grandes mudancas de temperatura: nao faz super frio, nem super calor, o que nao é um choque para a bebida. Esse também é o motivo pelo qual o Japao produz um whisky de excelente qualidade: é um dos únicos países com o mesmo clima que na Escócia. E, nao é a toa que o best single malt de 2008 é um whisky japonês!!!

Variedade de Talisker

Uma coisa engracada que aconteceu durante a visita é que o guia me puxou para um canto e disse: "Desculpa se eu te olho a todo momento, mas é que a primeira vez que eu te vi, eu pensei 'O que a minha filha tá fazendo aqui?'. Tu és a cara da Vick, e cada vez que eu olho para ti, eu tomo um susto em ver a minha filha aqui'." Pois é, eu sou a cara da Vick (será que o nome dela é Victoria?), e podia passar por escocesa, hahaha :oD No final da visita, o guia ainda falou para o Roger "Cuida bem da minha filha, hem?", no que ele respondeu 'sim, sim' (e depois ficou me perguntando quando é que iria conhecer a tal de Vick. Desnecessário dizer que levou um beliscao, nao? :o))) )
Na destilaria ainda, namorido comprou uma edicao limitada de um whisky deles que só é vendido na própria destilaria (Talisker Distillers Edition). Quando namorido experimentar, eu conto se passou pela 'crítica', hehehe :oD

Da Talisker, fomos em direcao ao nosso almoco (ou melhor, restaurante, hahaha), que ficava na área da ilha chamada de Duirinish (ponta oeste). No caminho, parada para mais fotos, muitas fotos :o)




Como chegamos muito cedo no restaurante, decidimos dar mais uma volta, e chegar exatamente no horário: 12h30.
Fiz uma reserva no The Three Chimneys, porque estava louca para conhecer o lugar e experimentar a comida :o) Aliás, se alguém quiser gastar vaaaaaaaaarios dins-dins, pode passar a noite no hotel deles. Todos os quartos têm vista para o mar (tudo bem, 'todos' os quartos se resumem aos seis quartos disponíveis do hotel, hahaha) e todos têm uma banheira para duas pessoas (meeeeeeeega romântico). E, sim, apesar do mega preco, o hotel está sempre cheio, e é preciso reservar (para o verao) com UM ANO de antecedência!!! De qualquer maneira, para uma lua-de-mel, fica a dica, porque o lugar é, definitivamente, mega romântico :o)

A comida estava excelente, além do ambiente ser super aconchegante!!! Namorido pediu, de entrada, roasted breat of wood pigeon with blueberry sauce and cellery. Ou seja, pombo, yerks! Ele falou que estava excelente, eu nao cheguei nem perto :o) A minha foi Talisker-Cured Organic Salmon with Pickled Cucumber, Dill Cream, Sorrel & Local Quail Egg. E estava uma gostosura! De prato principal, escolhemos ambos o mesmo: Baked Highland Blue Cheesecake with Mustard Leaves, Nectarine & Pine Kernel Salad,Sweet Sherry, Shallot & Thyme Relish. Esse estava dos deuses, apesar da porçao ter sido um pouco pequena (mas, nao tô reclamando: afinal, sempre tem que deixar um espacinho para a sobremesa, hehehe). E, de sobremesa, eu fui de brownie elaboradíssimo, e namorido escolheu The Famous Hot Marmalade Pudding with Drambuie Custard (que veio com muito, mas muito custard (molho) ). Nós dois saímos rolando de lá, mas felizes :o)

A propósito, dica: o menu de almoco deles é quase metade do preco do que o jantar. Como a comida é excelente, dá para curtir sem deixar um rombo no bolso. É só ir na luz do dia, hehehe :o)

Outra curiosidade que aconteceu enquanto estávamos almocando lá (e que respondeu a minha pergunta de Edinburgh) foi quando uma senhora americana entrou às 12h45. Ela tinha reserva para 13h15, mas como eles já estavam perto do local, decidiram chegar mais cedo (vou fazer o que, se ela falou alto e eu escutei todos os detalhes? :o) ). Ela perguntou para a recepcionista se havia algum problema. E a recepcionista disse: 'Sim, tem um problema. A sua reserva é para 13h15, entao o horário de chegada é às 13h15'. A senhora (que era mais idosa) perguntou: 'Mas nós nao podemos já ir sentando na mesa, e esperar até 13h15?', sendo que a atendente respondeu: 'Sim, mas vocês realmente vao ter que esperar até 13h15, pois nao há ninguém para serví-los até lá. Nós estamos ocupados com outras mesas, e portanto o horário da reserva precisa ser respeitado.' Acho que a senhora ficou sem jeito, e resolveu voltar mesmo mais tarde. Por um lado, é legal esse sistema: você chega no restaurante, e nao precisa esperar por nada! Tudo tem a sua ordem, tudo está em harmonia. Você entra, vem alguém lhe mostrar a mesa. Daí, vem alguém perguntar se você quer um aperitivo. Essa mesma pessoa coloca o guardanapo no seu colo (odeeeeeeeeio que alguém coloque o guardanapo no meu colo! Tenho duas maos pra que? Aaaaaaahhh!! Eu sempre colocava antes, e a pessoa sempre ficava desconcertada. Azar!). Outra pessoa lhe traz os menus e a carta de vinho, espera um tempo, e pega os pedidos. Outra pessoa abre o vinho, e serve. A pessoa que perguntou sobre os aperetivos vêm com uma cestinha de paezinhos para voce escolher (aliás, odeio isso também! Adoro cestinha de pao na mesa, e acho um saco ter que escolher entre tantas espécies de paezinhos: quero experimentar todos, ora bolas, hehehe). E aí os pratos já comecam a chegar, sem ter que esperar por nada. E, por isso, se alguém vem antes, quebra esse fluxo, oh atrevimento!!! :o) Agora, por outro lado, convenhamos: custa conduzir a pessoa até a mesa, e oferecer algo para beber até que chegue a vez da criatura escolher o que quer comer? Custa?

The Three Chimneys

Do restaurante, fomos até Neist Point, fazer um pouco de exercício e queimar as calorias :o) O Neist Point abriga o farol de Neist, e é possível ir caminhando até onde o farol está (muito. Caminhando muuuuuito). Mas, as paisagens sao inesquecíveis, e ficamos felizes de termos feito a caminhada :o) (felizes, cansados e molhados. Mas, principalmente, felizes, hahaha).



No Neist Point, havia uma nuvem negra, muito negra, se aproximando. Como era somente uma nuvem, encaramos a caminhada mesmo assim, munidos de capas de chuva. Mas, a paisagem fica totalmente assustadora, nao? :o) E, em alguns lugares era muito engracado, pois dava para ver exatamente onde estava chovendo e onde nao.


Nao é assustador? Mas, foi só uma nuvem, e o sol voltou :o)

Morro acima...

Tá chovendo, tá chovendo!



Farol Neist



Aqui dá para ver a chuva direitinho, vindo do lado direito :o)

O farol tá atrás dessa montanha... E dá-lhe caminhada :o) Na volta, sol! :o)))

Depois do exercício, fomos rumo ao castelo de Dunvegan. No meio da caminho, elas... as ovelhinhas :o))) Sim, porque elas têm preferência em todos os caminhos, hehehe :oD



O castelo de Dunvegan foi construído no século 14, sendo finalizado no século 17 e 19. É a casa do cla MacLeod, e serve de moradia para Hugh MacLeod of MacLeod (te mete!). E, sabe quem foi que já ficou hospedada ali? Quem pensou 'Flora MacDonald', acertou :o)))

Como estávamos cansados (caminhada, oh caminhada!), resolvemos visitar somente os jardins, e tirar algumas fotos do castelo (que é interessante, mas nao é 'Ohhhhhh!'). A propósito, paga-se para visitar-se os jardins, e paga-se para visitar o castelo. Ou tá achando que o MacLeod ia deixar barato? :o)))

Castelo de Dunvegan


Me sentindo a dona do dito cujo, hahaha

Depois da visita, seguimos em direcao à Trotternish, que fica na parte norte da ilha. Eu queria ir até Uig, que é famosa pela sua cerâmica. Mas, decepcao total!!! Odiei as que estavam em exposicao. Cheia de flores, e pássaros e afins. Na verdade, meio brega. Entao, nadica de compras.... Mas, o passeio continuou, assim como as fotos, muitas fotos, hehehe :o)

Nao parece propaganda de sabao em pó? :o)


Ainda em Trotternish, fomos no Skye Museum of Island Life: fecha as 17h30, entao acabamos chegando muito tarde para entrar. Mas, o que eu queria mesmo ver eram essas cottagess antigas (thatched cottages), entao acabou valendo a visita, mesmo ficando do lado de fora :o)


Do lado do museu, fica o cemitério onde está enterrada Flora MacDonald. Uma cruz celta marca o túmulo dela. A cruz original teve que ser substituída em 1955, porque os turistas levaram tantos pedacos que nao sobrou nadica de nada para contar história!!! Dá para acreditar? Sim, em 1955 já havia turistas mal-educados!!!

A propósito, sobre o túmulo de Flora MacDonald: ela foi enterrada com um lencol usado por ambos os homens que ela amou: Dr. Johnson e Bonnie Prince Charlie. Nao é uma história mega romântica? E nao, eu nao sei como o lencol foi usado por ambos! Mas é o que está escrito no meu guia, entao eu nao contesto :o)) ) Quando ler a biografia dela, eu conto :oD

Perto do cemitério, há um lugar com várias pedras, e sobre as pedras há constelacoes de pedras, umas sobre as outras, feito por maos humanas. Eu sei que na Noruega namorido também viu várias dessas constelacoes, mas nem eu, nem ele, lembramos da história. Por via das dúvidas, fizemos a nossa também :o)



E, continuando o passeio, as paisagens variavam. Tao diferentes, e todas tao lindas!!! A Ilha de Skye realmente foi de tirar o fôlego!!!



Pode estar no meio do nada, mas cabine telefônica sempre tem, hehehe :o)




Chegamos em Portree às 19h, e depois de um bom banho, decidimos procurar um lugar para comer. E todos, TODOS os restaurantes da cidade estavam fechados para um evento!!! Nós nao entendemos muito bem que evento era aquele, mas nao havia nenhum restaurante disponível! Restaurante, bistrot, barzinho, o restaurante do nosso hotel: tudo reservado para um 'evento privado'. E, nas ruas, só se viam homens de klit, e mulheres com vestidos longos e uma faixa (tipo de 'miss') com as cores (e padronagem) do seu cla. Só ficamos sabendo mais detalhes no dia seguinte... E, depois de muita caminhada e muitas portas na cara, finalmente encontramos um pequeno hotel, com 3 mesinhas, que estavam servindo uma janta bem caseira. O engracado é que, cada vez que pedíamos algo para tomar, a garconete sumia por uma porta onde havia o aviso 'Toilets'. Nós nos matamos de rir, mas nao pedimos nada amarelo para tomar, só por via das dúvidas, hahaha.

5 comments:

Silvinha said...

Que viagem incrivel!!!

Adorei a foto que vc tirou e aparece o ato no retrovisor :o)

Ah, e achei uma biografia da Flora em inglês na amazon.de mesmo! yey!

Beijo!

Claudia Pimenta said...

oi angie! estou amaaaaando viajar pela escócia com vc! que fotos lindas!!!! bjs, querida!!!

Cacá said...

Angie, tem muitas fotos com o céu dramático, como diz marídeo. :) LINDAS!

E seus pés com meias cor de laranja, hein, haha... tua marca registrada: meias coloridas! :)

E o esquema do restaurante é bem pentelho, mas é por isso que ele funciona tão bem e com pratos tão elaborados sendo servidos just in time. :)

Beijocas... um ótimo final de semana pra vcs!

Marcia H said...

Pois é, para visitar a Escócia tem que estar preparado para todos os tipos de chuva rsrsrs

para nao ter muitos furos no pudim é só nao bater por muito tempo, ou se bater deixar descansar bastante antes de levar ao forno para o ar sair!
bjsss

Anonymous said...

Sim, provavelmente por isso e