Monday, July 5, 2010

Próximo Destino: Vilhelmina

No dia seguinte saímos rumo a Vilhelmina pela estrada 45.

15 minutos de Jokkmokk, na estrada 45 direcao Sul, cruzamos novamente o Círculo Polar :-)


Lendo nosso guia, vimos que havia uma super corredeira (indo pela estrada 45, tivemos que pegar a estrada a esquerda (374) rumo a Älvsbyn). A Storforsen é uma das maiores corredeiras da Europa (com 82m de queda numa extensao de 5km), e como estávamos na época do degelo, a quantidade de água era imeeeeeeeeensa!!! O barulho da água descendo já dava para escutar de longe!!!
Como fomos fora da estacao, museu e lanchonete estavam fechados (eles só abrem da metade de junho até a metade de agosto). Mas adoramos que o parque permanece aberto, inclusive o acesso as corredeiras! O dia estava cinza e nao havia viva alma: com o barulhao que a água fazia, eu já estava imaginando uma corrente enorme vindo, destruindo a barragem lateral, e levando namorido e eu para os confins do rio... Mas, nao, nada aconteceu, e saímos de lá saos e salvos :-)

Namorido fotografando...

... as corredeiras.

A forca da água era tanta que criava muitas, muitas ondas!

E tinha muita...

... mas muuuuuuita água! (para ser mais exata, aproximadamente 1000 metros cúbicos por segundo passam por aqui na época do degelo...)

De casacao e gorrinho (tava friiio!) documentando tudo :-)

E por falar em força da água, uma das pontes de acesso foi destruída por um blocao de gelo (isso que o suporte delas é de ferro)

A Storforsen é uma corredeira do Rio Pite. O curso do rio foi modificado há 100 anos atrás para que ele fluísse com mais força. Do lado da corredeira, é possível ver onde o rio corria antes...

... como, por exemplo, no Jättegrytor...

... onde é possível observar que, água mole em pedra dura, tanto batia até que furava! :-)

Hoje, no leito antigo, ainda passa um pouco de água. Mas, se cair aqui, com bóia se salva :-)

E, no meio do leito antigo, um palco para apresentacoes de ballet e outras peças :-)


No meio do caminho paramos em Arvidsjaur para visitar o Homestead Museum (com várias pecas samis - antes da cidade ser criada, eles eram os moradores originais do lugar) e tomar um café com kanelbullar (eu nao sabia que o cinnamon roll tem origem sueca! Foi criado nos anos 20 do século 20). O Homestead Museum fica no prédio de um antigo vicariado, no lugar onde Arvidsjaur foi fundada em 1609 por decisao do rei Karl IX.
Aliás, eu também nao sabia que Arvidsjaur é a cidade onde mora o Papai Noel!!! Perdi minha chance de deixar uma cartinha com minha lista de presentes por lá :-)

A entrada do Homestead Museum

Café e kanelbullar, servidos no segundo andar do museu por uma senhora super simpática: nos sentimos em casa (se é que isso é possível num museu...)


No meio do caminho...

... mais bichinhos. Acho que era uma rena dessa vez. Será?

Um trio, nos olhando curiosos :-)

E um alce grandao...

... que nao gostou da nossa companhia (aliás, uma colega sueca de namorido disse que tivemos sorte, pois muito deles podem ser agressivos na época da primavera!)

Na estrada, a companhia mais freqüente para o nosso carro eram alguns desses caminhoes transportando váááááários troncos

E lá vamos nós, passeando por esse país verdinho e cheio de lagos (nao, esse carro aí na frente nao é a gente! :-) )


Chegando em Vilhelmina, fomos direto para o nosso hotel. A fachada era muito feia, e já estávamos com medo de ver o quarto. Mas, superou nossas expectativas: além de ter uma vista linda, o quarto tinha sauna privada, banheira de hidro (que, uma vez ligada, nao quis desligar: mas o garcon do hotel também era técnico de hidro, e desligou o troço na marra :-) ), e um teto que, quando as luzes se apagavam, se enchia de estrelinhas mostrando constelacoes :-D


Vista da sacada do nosso quarto

Como na nossa chegada o quarto ainda nao estava pronto, resolvemos almocar primeiro. Como a maioria dos restaurantes, o hotel tinha um buffet para o almoco, com dois pratos quentes e saladas diversas.

Vista do restaurante

Almoco: definitivamente eu nao gosto desses salsichoes suecos :-( E viva o bratwurst alemao :-)

De sobremesa, cappuccino decorado :-)


Depois de uma soneca, fomos dar uma caminhada e visitar Vilhelmina.

O teatro

O colégio...

... e ela, com cabelos ao vento.

Loja de tintas: as duas cores preferidas para casas de madeira :-)

E Vilhelmina também possui uma Kyrkstan, fundada no século 19...

... e toda colorida! :-)

As portas gêmeas :-)

Eu adorei esse casarao abandonado (apesar que, no segundo andar, morava alguém). Já pensou um bed & breakfast aqui? :-)


Para jantar, escolhemos ficar no restaurante do hotel (que faz parte do White Guide). E a comida estava muito boa!

Alce marinado

Eu pedi queijo de cabra como entrada...

... e namorido atacou de carppaccio de alce com cogumelos [carpaccio of moose served with pickled chanterells, rucola & shaved Wästerbotten cheese]

Peixe grelhado com legumes da estacao para mim e...

... filé de frango para namorido [sweet-chili glazed chicken filet]

De sobremesa, morangos com sorvete/merengue saídos do forno - eu nao sou nada fa de merengue (nem dura, nem mole), mas o sorvete por baixo estava uma delícia :-) )

3 comments:

Dona Flor said...

Por isso que amo o seu blog. A gente viaja junto, fica com água na boca com as fotos da comida... só faltava ter cheiro, aí seria perfeito!!

=) Beijos!!

Márcia said...

Angie,
Vcs sao muito corajosos de chegar tao perto daquela correnteza forte! Pra variar, lindas as fotos, as comidas parecem ganhar vida na lente de voces!
Um bjao e otima semana! e vamos torcer pra nossa Deutschland arrasar amanha!
Marcia

Silvinha said...

Amei, amei, amei =)

A vista do quarto de vocês era maravilhosa. Também fico louca com os bichinhos ao longo das estradas, hehe

Beijo!